X

Emissão de Boletos ACESSE

Últimas Notícias

11/06/2018

EQUIPAMENTOS RADIOLÓGICOS SÃO APREENDIDOS EM OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL COM PARTICIPAÇÃO DA ANVISA

A Agência agiu na fiscalização sanitária dos locais onde foram encontrados os produtos importados de forma ilegal


Foto: Divulgação

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) foi acionada pela Polícia Federal para participar da segunda fase da Operação Equipos deflagrada em 2017. Denominada “Fase ANVISA”, a investigação visa combater a comercialização de equipamentos médicos irregulares no país. 

Desenvolvida em conjunto com a GIPRO (Gerência de Inspeção e Fiscalização de Produtos para Saúde, Saneantes e Cosméticos), CSEGI/GADIP/ANVISA (Coordenação de Segurança Institucional), a apuração tem como alvo os revendedores, assistências técnicas, clínicas médicas, hospitais e empresas que operam através da internet. 


Segundo Marcel Figueira, coordenador do CSEGI, foram apreendidos até o momento 187 equipamentos médicos, que, além de terem sido importados de forma fraudulenta, foram sucateados e remanufaturados indevidamente. Dentre os aparelhos recolhidos podemos citar: raios-x, tomógrafos, mamógrafos, ultrassons, ressonâncias magnéticas, equipamentos de anestesia geral, monitores e cintilografia.

Apreensão:

Entre as ilegalidades encontradas pela PF, destaca-se:

• Equipamentos usados adquiridos fora da cadeia legal de distribuição RDC 25/01;
• Sem a etiqueta indelével obrigatória (a qual dispõe da identificação do fabricante, modelo, número de série e registro do equipamento na ANVISA) e sem documentação de comprovação da origem; 
• Oriundos de importação fraudulenta ou contrabando. 

Riscos à saúde:

Considerando os riscos que os equipamentos que utilizam radiação ionizante podem causar, o Sindicato tem constantemente alertado a população quanto aos possíveis problemas ocasionados por aparelhos que não cumprem as normas da ANVISA. Além de provocarem imprecisões nos exames de diagnóstico por imagem, a segurança dos profissionais e pacientes também estão sob ameaça, uma vez que os mesmos poderão ser expostos a uma quantidade de radiação superior ao recomendável.

É válido mencionar que o SINTTARESP disponibiliza um espaço dedicado a realização de denúncias através do seu site. Constada a irregularidade, a mesma é encaminhada aos Órgãos competentes para que as medidas necessárias sejam tomadas.

Cabe ressaltar que por falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, os suspeitos da prática ilegal podem responder por crime hediondo com pena de reclusão, de 10 a 15 anos, e multa. 


Fonte: Assessoria de Imprensa SINTTARESP com informações da Anvisa
 

 

 

 

 

 

 
                          
                          
Mais Notícias
« voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 avançar »
www.infosind.com.br